Erros do concurseiro tradicional: saiba como evitar os 5 mais comuns.

0
1288
5 (100%) 2 votes

Depois de entrevistar mais de uma centena de aprovados em concursos de ponta, encontrei um padrão de estratégias e atitudes que definiam uma preparação forte.

No entanto, ao também conversar com candidatos que “bateram na trave”, ou nem chegaram perto de concorrer, também é possível perceber um comportamento a ser evitado.

E é essa clareza que quero passar agora, para você turbinar a sua preparação e evitar os 5 erros do concurseiro tradicional.

 

 

1º erro do concurseiro tradicional: envolver-se pelos motivos errados.

O 1º erro do concurseiro tradicional é se envolver pelos motivos errados. Por exemplo, quando perguntamos por que alguém decidiu estudar para concursos públicos, as respostas que recebemos são: “porque eu preciso”, “porque quero um salário fixo”, “pela estabilidade”, “quero ter tempo para a minha qualidade de vida” e, apesar de raro, também ouvimos dizer “quero para contribuir, pois desempenharia muito bem o meu papel”.

Mas não é só isso.

Quais são as características necessárias para a aprovação? Seriam: muito estudo e trabalho, sem garantia alguma de aprovação ou retorno, concorrência e competição ferrenhas, abrindo-se mão da qualidade da vida.

Percebeu o paradoxo?

PDF ESTRATÉGICO: 10 Técnicas 

Você pode turbinar suas chances de aprovação com as 10 técnicas de aprendizagem mais efetivas para a aprovação em concurso! Baixe gratuitamente! É meu presente pra você aqui no Blog!

A maioria das pessoas entra no jogo dos concursos porque aproveitaria bem os benefícios, e não por ser um bom jogador. Isso gera um conflito interno, impede a pessoa de dar 100% de si.

Entre nesse jogo porque você é uma pessoa FODA. Porque você está ciente de que vai ralar bastante, porque tem uma atitude de que vai fazer a diferença, de que você merece essa aprovação. E faça uma diferença na sua preparação.

2º erro do concurseiro tradicional: Delegar a responsabilidade da sua preparação para o cursinho.

O 2º erro do concurseiro tradicional é delegar a responsabilidade da sua aprovação para o cursinho.

Cursinho é importante: esquematiza as matérias que você nunca viu e organiza os seus estudos se você não tiver disciplina e planejamento.

No entando, cursinho deixou de ser um diferencial. Se você olhar à sua volta, perceberá que 90% dos seus colegas nunca serão aprovados em concursos de ponta.

Então, faça cursinho por te ajudar em algumas matérias, mas saiba que ele funciona como um termômetro. Quando você começar a perceber que as perguntas estão ficando básicas, que você estaria rendendo muito mais se estivesse estudando sozinho, será um indicador forte de que você está no ponto para concorrer com grandes chances.

O cursinho é um aliado, mas a responsabilidade pela sua aprovação é sua.

3º erro do concurseiro tradicional: Transformar seus aliados em obstáculos.

É incrível a quantidade de desculpas de quem não passa. “Se a concorrência não fosse tão grande”, “se houvesse mais vagas”, “se não caísse a disciplina X”, “se a prova tivesse sido mais fácil”.

O 3º erro do concurseiro tradicional é transformar seus aliados em obstáculos. O que você precisa perceber é que, quanto mais desafiante é a sua jornada, melhor. Qualquer dificuldade que permita que você se destaque, brilha para o seu lado.

Por exemplo: se um Edital previsto sai faltando dois meses para a prova, a maioria das pessoas irá dizer “é pouco tempo para se preparar”, você vai pensar “ótimo, está todo mundo no mesmo nível. Entrará quem se preparar melhor nesses 2 meses”. Da mesma forma, a maioria das pessoas dirá: “A prova está Foda!” e você pensará: “Excelente! Meus concorrentes estão lá desesperados. Eu sei que não vou precisar gabaritar a prova para passar”.

Outro exemplo: pode ser que você diga que trabalha em tempo integral. Eu posso te dizer com certeza que, cerca de 80% dos aprovados em concursos de ponta, também trabalhavam pelo menos 8h por dia.

E, se seus filhos são uma desculpa para você estudar, transforme-os no seu principal motivo.

Se o tamanho da concorrência te assusta, saiba que, em geral, grande maioria dos candidatos está ali só pelo salário, como se estivesse jogando na loteria. Somente 5% de uma concorrência grande têm chances reais de competir. Garanta que você está nesses 5% e busque o seu diferencial.

Molde o seu ambiente para que tudo favoreça a sua preparação.

4º erro do concurseiro tradicional: não mensurar as atividades e os resultados.

O 4º erro do concurseiro tradicional é não mensurar as atividades e os resultados. No entanto, existe uma regra no mundo dos negócios: você só pode melhorar aquilo que você mensura.

Então, fica uma atividade muito aleatória para alguns (“Estudo umas 4h por dia”, “Faço uns exercícios, estou indo bem”). Só que isso é muito impreciso.

Escolha indicadores que irão apontar, com bastante precisão, em que nível você está e como será o seu desempenho na próxima prova.

Você pode fazer uma tabela de controle de horas estudadas, usar o seu edital e ir checando cada uma das disciplinas já estudadas/revisadas, fazer provas anteriores, etc. Enfim, mensure mais. Mensure as suas atividades e os seus resultados.

5º erro do concurseiro tradicional: Encarar o processo de estudo e aprendizagem como uma coisa única.

O 5º erro do concurseiro tradicional é encarar o processo de estudo e aprendizagem como uma coisa única.

No entanto, A aprendizagem não é um processo único. Ela passa por várias etapas. Imaginá-la como um processo único dá pouco parâmetro para você melhorar em que está errando.

Na sua preparação, as 6 atividades ou competências que estão inter-relacionadas são coisas diferentes. E a melhora em qualquer delas, individualmente, gera uma melhora no todo.

Você não precisa fazer uma revolução em cada uma delas para gerar um impacto na sua preparação. Um pequeno avanço em cada uma aumenta, geometricamente, a qualidade de tudo.

Vamos às 6 competências:

  • Planejamento:

    aqui entram os indicadores e a mensuração que falamos no Erro passado. Você pode planejar, por exemplo, cobrir 8% do Edital por semana, ou escrever uma redação, ou fazer um simulado a cada 15 dias. O importante aqui é como você pode melhorar o planejamento e o acompanhamento das suas ações e resultados.

  • Estado:

    o gerenciamento do seu estado (de concentração, de estudo e realização de prova, que você acessa quando ocorre um imprevisto) pode ser a competência mais importante para a sua aprovação. Então, como é que você pode melhorar o seu foco, a sua concentração e a sua energia?

  • Estudo:

    De nada adianta você ter o plano perfeito, o estado e as estratégias perfeitas se você estuda duas horas por semana e com material ruim. Como é que você pode estudar um pouquinho mais? Que materiais ou cursos você pode adquirir para otimizar seu estudo? Deve contratar um coach? Deve comprar um livro novo? Como você pode melhorar a qualidade e a quantidade do seu estudo?

  • Aprendizagem:

    Aprendizagem vai dizer respeito a leitura, compreensão, anotações e ao seu aproveitamento nas aulas. Como é que você pode aumentar a velocidade e a qualidade da sua leitura? Como você pode otimizar suas anotações? Você ainda usa caneta de uma cor só? Você já usa mapas mentais?

  • Memória:

    A memória é uma etapa diferente no momento do aprender. Que estratégias você pode utilizar para melhorar um pouquinho a sua capacidade de memória? Talvez um controle de revisões ou estudar o conteúdo na prática… O importante é que aprender é uma coisa e memorizar é outra coisa.

  • Resolução de questões:

    Depois que você conhece uma banca, começa a perceber que existe um padrão na redação das questões existe uma estrutura na elaboração de cada item. Com algumas estratégias, você pode aumentar sua habilidade de resolução de questões e, talvez, consiga o diferencial o que você precisa para estar do lado de dentro na lista dos aprovados.

E o mais incrível é que, uma pequena melhora em cada uma dessas etapas, faz um aumento quântico na sua capacidade de se preparar para concurso.